Dependência química e EMDR

Dependência química e EMDR

Considerada um transtorno mental pela Organização Mundial de Saúde (OMS, 2004), além de um problema social, a dependência química é tida como doença crônica caracterizada por um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após repetido consumo de uma substância psicoativa, tipicamente associados ao desejo imperioso de consumir a droga, à dificuldade de controlar o consumo, à utilização persistente, apesar das suas consequências, a uma maior prioridade dada ao uso da droga em detrimento de outras atividades e, por vezes, a um estado de abstinência física.

Fatores psicológicos, sociais e fisiológicos exercem influência sobre a produção da dependência física ou psíquica da droga. Por ser uma questão extremamente complexa, na qual estão envolvidas várias dimensões, deve-se entender a dependência química como sendo uma doença biopsicossocial. São utilizados vários modelos de tratamento e diferentes tipos de intervenções, considerando elementos biológicos, psicológicos e sociais (Kaplan et al, 2007).

Texto de Alessandra Araújo Farias

Dependência química relacionada a traumas complexos: um estudo de caso tratado com

Terapia EMDR

Usamos cookies que armazenam informações suas com o objetivo de melhorar sua experiência com nossos serviços, de acordo com nossos Termos de Uso.