Você sabe o que é Dissonância Cognitiva?

Dissonância de forma geral é a falta de harmonia ou discordância entre duas ou mais coisas, já cognição é uma função psicológica que propicia a aquisição de conhecimento, que ocorre através de processos, tais como: percepção, atenção, associação, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. Esta cognição diz respeito a si próprio e ao mundo que o cerca.

No campo psicológico o termo é usado para descrever as sensações de desconforto que resultam de duas crenças contraditórias presentes, podendo ocorrer em muitas áreas da vida, mas em situações onde o comportamento de um indivíduo entra em conflito com as crenças que são percebidas como essenciais para a sua identidade, é onde se destaca.

Assim, a teoria da dissonância cognitiva baseia-se na premissa de que a pessoa ao sentir o desconforto de crenças contraditórias, irá buscar manter a coerência entre suas cognições (convicções, crenças, opiniões), pois contradições trazem sofrimento e dúvidas, por isso as pessoas tendem a procurar uma coerência em suas crenças e percepções.

Este fenômeno ou “princípio de consistência” nos ajuda a compreender grande parte da conduta e do pensamento humano, no binômio ambiente e ser.

Considerando que grande parte do mundo exterior não é possível ser modificada de acordo com nossas crenças, valores, percepções, convicções, sentimos a irremediável necessidade de que, em caso de dissonância e visando preservar nossa saúde psíquica, mudamos nossas convicções.

Um exemplo é a pessoa que fuma mesmo sabendo que faz mal, e com a crescente informação sobre os malefícios do cigarro, cria-se um desconforto, ansiedade, vergonha, culpa, angustia, etc.. originado na dissonância cognitiva.

Para dissolver este desconforto, por não suportamos ao mesmo tempo dois pensamentos contraditórios ou incompatíveis, a pessoa muda sua convicção, se justifica, a respeito do cigarro. Ela pode dizer que ela vai morrer mesmo, então que morra fumando.

Também não conseguimos conviver fazendo uma coisa e pensando outra; esta dissonância necessita ser resolvida, ou passamos a fazer o que pensamos ou mudamos o pensamento de acordo com o que fazemos.

A fabula de Esopo (reescrita por Jean de La Fontaine) da raposa e as uvas, é um bom exemplo.

Depois de tentar alcançar as uvas várias vezes em vão, a raposa desiste e se vai, murmurando: “Provavelmente estavam amargas”. A mudança de opinião da raposa é um exemplo perfeito de uma estratégia habitual que utilizamos de forma instintiva para reduzir a dissonância.

Visando buscar coerência entre pensamentos, crenças e opiniões, a pessoa pode usar de 3 diferentes estratégias-chave para reduzir ou minimizar a dissonância cognitiva:

1. Concentrar-se em crenças mais favoráveis que superem a crença ou comportamento dissonante.

No caso do exemplo do fumante ele pode se aproximar de outros fumantes que pensem como ele e que de alguma forma irão validar suas crenças.

2. Reduzir a importância da crença em conflito.

Ainda no exemplo do fumante, a pessoa pode reduzir o conflito, não buscando modificar o seu comportamento, mas passando a acreditar que seus outros comportamentos saudáveis compensam o seu hábito.

3. Mudar a crença conflitante de modo que seja consistente com outras crenças e comportamentos. Alterar a cognição conflitante é uma das maneiras mais eficazes de lidar com a dissonância cognitiva, mas é também uma das mais difíceis. No mesmo exemplo, a pessoa muda a crença e assume que o cigarro faz mal e que ela pode ter uma vida mais longa e saudável. Assim, busca informações para mudar comportamento.

Particularmente no caso de valores e crenças mais profundas, a mudança pode ser extremamente difícil.

O lado positivo da dissonância cognitiva é o de que pode estimular a mente a produzir novos pensamentos ou crenças, ou modificar crenças pré-existentes, de forma a reduzir a quantidade de conflitos entre as cognições, ajustando pensamentos e comportamentos.

Algumas reflexões e dicas:

Fique atento a sua decisão para buscar consonância, analisando qual pensamento ou comportamento você vai escolher para adquirir novas informações, substituir ou reduzir a dissonância. É isso que vai te ajudar a resolver esse conflito, porém tome cuidado para não pegar o caminho mais fácil, mais prático, mais agradável.

Reflita se você tem contradições entre o que pensa e o que realiza.

Perceba como são desagradáveis essas dissonâncias. Reflita nas consequências para sua vida e que você pode fazer para harmonizar seus pensamentos e comportamentos.

Se precisar, procure um profissional da área para ajudar a rever suas crenças ou mudar comportamentos, visando a harmonia interna.

________________________________________

Usamos cookies que armazenam informações suas com o objetivo de melhorar sua experiência com nossos serviços, de acordo com nossos Termos de Uso.