Inteligência Emocional, porque é tão importante?

Doenças mentais como a depressão e a ansiedade vem sendo discutidas ao redor do mundo todo, muitos já dizem que são as doenças do século. Durante alguns anos,muitas pesquisas realizadas por neurocientistas visavam entender quais seriam os principais motivos que desencadeavam a depressão e porque as pessoas tinham crises de ansiedade e outros transtornos. Foi identificado causas comuns onde os indivíduos diagnosticados não sabiam reconhecer suas emoções básicas pois ao longo da vida não aprenderam sobre isso, falar sobre emoções não fazia parte da grade curricular como português ou matemática.Atualmente existe a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que é um documento normativo para as redes de ensino e suas instituições públicas e privadas, nele é direcionado uma referência obrigatória para elaboração dos currículos escolares e propostas pedagógicas,e já contém o informativo de inserção de disciplinas que desenvolvam habilidades emocionais para que o indivíduo saiba reconhecer suas emoções desde a primeira infância nas escolas e as que não tem devem se adaptar o mais rápido possível até que contemple todos. Para Goleman o segredo do século para um desenvolvimento assertivo está na capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos." (Goleman, 1998) Ele conclui que a inteligência emocional é a maior responsável pelo sucesso ou insucesso dos indivíduos. Com isso podemos entender que com o desenvolvimento da inteligência emocional, as doenças mentais como a depressão e a ansiedade não irão acabar porém uma que criança conseguir reconhecer suas emoções desde o início irá aprender habilidades como resiliência, empatia ou colaboração, terá grandes chances de se tornar um adulto menos ansioso e com menor probabilidade de desenvolver um transtorno como a depressão, ansiedade ou outros , ela aprenderá ferramentas para aumentar seu nível de bem estar sempre que souber reconhecer sentimentos ruins em si mesmo ou buscar ajuda de um profissional da saúde para auxilia-lo. O psicólogo Martin Seligman e pai da psicologia positiva vai dizer que encontrar a felicidade está muito além de ganhos matérias, está na capacidade do indivíduo de se reconhecer e identificar seus sentimentos e como lidar com cada um deles.

Bibliografia

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em <www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituição/constituicao.htm>. Acesso em: 20 mar 2020.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a base. Brasília: MEC, 2017.

Seligman, M. E. P. (2011). Florescer: Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar (C. P. Lopes, Trad.). Rio de Janeiro: Objetiva.

Dell'Aglio, D. D., Koller, S. H., & Yunes, M. A. (2006). Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do risco à proteção. São Paulo: Casa do Psicólogo

Renata O P Xavier

Psicóloga Clínica CRP 06/143259