Amar alguém é bom, mas amar a pessoa que você se tornou é incrível.

Passamos muitas vezes a vida toda nos comparando com outras pessoas e nisso esquecemos do primordial: “Eu sou diferente de qualquer outra pessoa no mundo e isso me faz especial”.

Não estou aqui dizendo que você merece mais do que os outros, de que é mais importante, de que é a melhor pessoa do mundo. Estou dizendo que você possui suas próprias características, muitas delas únicas, e que você também merece ser amado pelos outros e, principalmente, por você mesmo.

“Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro.” Carl Gustav Jung. Pessoas que se amam possuem um grande poder sobre a própria vida … compreendendo os seus pensamentos e emoções, portanto, não sentem necessidade de empoderar-se da vida do outro, como se a sua verdade fosse a única possível.

Muitas vezes, o “não se amar”, traduz em uma mentalidade fixa de auto sabotagem, onde você vai minando seu bem-estar fazendo as coisas na sua vida darem errado. O amor próprio em si é de extrema importância para qualquer tipo de indivíduo, mas principalmente para aqueles que enfrentam transtornos psicológicos. Quem sofre de Depressão, por exemplo, sabe muito bem o que significa ter falta de amor por si mesmo e autoestima baixa. O amor próprio vai te ajudar a fazer boas escolhas, a não dar valor às críticas de qualquer um, nem a se rebaixar por ninguém. E você conseguirá uma paz interior que é muito mais importante do que qualquer coisa. Será mais fácil superar perdas e dores do passado, porque você entenderá que nada que não te acrescenta vale a pena.