Kátia goes,  Belo Horizonte

Envelhecer é tão emocionante quanto ser criança.

Envelhecer é tão emocionante quanto ser crianca, adolescente ou adulto. É uma fase da vida e deve ser vivida em toda a plenitude.

Por muito tempo, os velhos do Brasil foram estigmatizados como estorvo às atividades das jovens familias.

O desenvolvimento das ciências médicas, biológicas, tecnológicas e afins prolongam, a cada dia mais, a vida dos brasileiros e,com isso, o Brasil envelheceu. De país jovem entramos no rol dos paises com população  predominantemente idosa.

Profissionais das diversas áreas  correram em busca de entender o envelhecimento do país  e de como se adequar à  nova situação. 

Móveis, acessos a onibus, metrôs, calçadas, oferta de vestuários, tudo passou por mudanças para permitir aos idosos uma vida plena, sem se sentirem isolados dos demais.

Minha participação  neste processo de mudanças  foi colocar no papel todas as reflexões que fiz e faço  acerca do meu próprio envelhecimento e colaborar para que cada idoso mergulhe em si mesmo e veja, com os próprios  olhos e com sua particular experiência de vida, que ser idoso é  prazeroso, gratificante, tanto ou mais que as outras etapas de vida pelas quais ja passamos.

Trabalhar com idosos é  crescer junto com eles e poder ser grata à vida pela riqueza de experiências que podemos partilhar.