Violência Doméstica: conheça as formas e os tipos.

Escrito por: Aureni Moreira

Sabe-se que a violência doméstica contra mulheres tem sido temas da atualidade que precisa de uma atenção voltada para as causas e as frequências em que ocorrem tais acontecimentos. A violência contra as mulheres tem tido proporções epidêmicas no mundo todo. Segundo pesquisas feitas pelo instituto ‘’World Watch ‘’que declara que á violência contra mulher vem sendo um tipo de crime mais frequente do mundo.

Segundo pesquisadores a violência no lar tem sido a maior causa insolada de ferimentos em mulheres, sendo a violência no lar responsável pelo maior número de internações nos hospitais, do que a violência como estupro. Os números de mulheres agredidas no Brasil são assustadores. Pesquisas revelam que o índice de homicídios contra mulheres são de 66% no Brasil.

Acontecimentos trágicos vêm sendo vistos em todas as esferas sociais, infelizmente tais acontecimentos violentos ainda repelem aos estereótipos de que são apenas homens pobres de pouco conhecimento e escolaridade que engajam esse tipo de violência, porém o que se percebe na atualidade é uma realidade voltada tanto para homens pobres quanto para homens de classe média alta, ambos praticando violência contra as mulheres valemos ressaltar que o companheiro é definido por “relação amorosa” como companheiro, amante, namorado, noivo ex-esposo, etc..

Episódios de violência contra mulheres têm sido corriqueira, sendo muitas vezes narradas pelas mulheres que sofrem como sendo questões de tamanho sofrimento tanto para elas próprias, como também, sendo episódio de eterno sofrimento para seus familiares. Problemas como agressões ocorrem de diversas formas, sendo:

Físicas: socos, tapas, chutes etc..

Psicológicas: humilhação, constrangimento, ofensas, perseguição, chantagem, insultos, manipulação, ciúmes doentio, quando o companheiro coloca limites de ir e vir na parceira , também podem ser considerado violência psicológica, vigilância constante etc...

Verbais: comentários indesejados, xingamentos etc...

Sexuais; podem ser através de pensamentos machistas; de ter domínio sobre a mulher; e também querer ter domínio sobre seu corpo.

As sequelas apresentadas com mais frequência em mulheres agredidas pelos parceiros são de alto nível de depressão, ideação suicida, sensação de perigo iminente, dificuldade nas tomadas de decisões, dependência de álcool, ansiedade crônica, estresse, dependência em extremo etc...

Problema de violência doméstica tem tido repercussões danosas tanto no contexto conjugal, como no contexto familiar podendo afetar os filhos, causando efeitos negativos nas crianças. Efeitos esses que podem causar um esgotamento na mulher que esta sendo agredida e, também nas crianças. Sabe-se que crianças que são expostas a violência podem apresentar problemas de agressividade, uso de drogas e álcool, problemas comportamentais e o distúrbio de atenção. Os efeitos negativos são diversos; desde ansiedade, baixa-autoestima, medo etc...

O combate e prevenção à violência doméstica podem ser feito de diversas formas: por denuncia às autoridades por telefone, sabendo que essa denuncia é totalmente sigilosa.

No processo de intervenção para técnicas de bem estar familiar e da mulher, o ideal seria procurar um psicólogo; para que o mesmo trabalhe o resgate da autoestima dessa mulher; apresentando técnicas saudáveis de enfrentamento que podem tornar seu repertório mais resiliente.

“Eu sou eu, você é você. Eu faço as minhas coisas e você faz as suas coisas. Eu sou eu, você é você. Não estou neste mundo para viver de acordo com as suas expectativas. E nem você com as minhas. Eu sou eu, você é você. Se por acaso nos encontramos, é lindo. Se não, não há o que fazer”.

Fritz Perls, 1969.