Enfrentar a Pandemia O que você sente irá ditar seu comportamento - Pensamentos antecipatórios

Afinal, era só uma lagartixa na parede!!

Sabe aquele momento em que uma situação difícil se apresenta como se fosse um tsunami mental? Que te leva ao desespero, provoca sintomas físicos, te dá a nítida sensação de que tudo vai ruir ...?

No momento crítico é só o que lhe vem à cabeça, parece que ocorreu um blackout como se cortinas fossem colocadas na janela para te manter no escuro, bloqueando assim a entrada da luz.

Todavia, quando esse momento passa, você percebe o quanto sua mente te enganou, afinal, era só uma lagartixa na parede.

Essa situação difícil dependendo de como irá reagir aos pensamentos disfuncionais que a acompanha, pode durar somente algumas horas, talvez minutos ou até mesmo segundo. Entretanto, ansiedade que é provocada pode durar minutos, horas ou dias, ou até mesmo passar a estabelecer-se como um padrão de comportamento.

A situação difícil desencadeada, não se refere aos acontecimentos do cotidiano, repentinos, que se apresentam de maneira assustadora. Mas sim, aqueles problemas e/ou pessoas, situações assustadoras com as quais você convive há algum tempo.

Em tese, sua mente foi programada desde os primórdios, para lidar e enfrentar as situações desafiadoras que surgem, nascemos com essa capacidade, é ontológico.

O que te faz distorcer os eventos cotidianos visto nestes episódios como uma “situação difícil” tem uma nascente dentro de seu subconsciente, sua sede emocional, tudo que fica lá registrado está vincado por uma emoção que se fez presente em um fato vivenciado. Chamamos isso de memória emocional.

Tudo se desencadeia a partir das emoções negativas que operam em seu subconsciente, dados mnêmicos guardados em sua memória de longo-prazo com forte impacto emocional.

Elas são as responsáveis por desencadear a ansiedade que se apresenta neste momento. Ansiedade é resultado de um nicho de pensamentos antecipatórios que evocam as emoções lá dentro registradas.

Situações que no passado você não enfrentou, talvez por que já estava prisioneiro desta cela mental, se apresentam no presente de maneira maquiada e sua mente consciente não consegue ler isso, pois ela não entende na de emocional. 

Esses pensamentos antecipatórios aparecem porque eles no passado já se constituíram como algo desconfortante, desagradável, com a qual você teve dificuldade em lidar, e postergou inconscientemente seu enfretamento.

O que desencadeia está emotividade negativa chamamos de gatilhos, na situação em si não há nada, ela apenas trouxe uma emoção de medo, que pode ser autentica, visto que o medo é uma emoção boa para colocar o sujeito em estado de alerta para reagir na iminência de algum perigo real.

Por exemplo: Uma pessoa passou por uma situação de assalto, enquanto vivenciou a situação o medo disparado era real, houve um fato que foi associado a está emoção medo (ser assaltado). Posteriormente, o trauma já superado, essa mesma pessoa está em um estacionamento e escuta o som assombroso de um escapamento de um carro, de imediato surge o medo na versão imaginada, pois a memória emocional, evocou a emoção medo do episódio do assalto registrada em seu subconsciente trazendo reações físicas presentes a algo imaginado, a considerar, que o som do escapamento do carro, foi apenas um ruído alto e nada mais.

É deste medo que falo, do imaginado, que nada se relaciona com a situação presente, é desencadeado quando acionado o gatilho emocional, neste caso, o barulho do escapamento do carro no estacionamento.

O subconsciente dispara essas emoções lábeis com no exemplo, a emoção do medo, que gera tremores físicos, taquicardia, acelera a respiração, são sintomas físicos que se manifestam por conta da interpretação que ocorre no subconsciente, ele entende que aquela situação lá de trás, não vencida e não superada está ocorrendo no presente. Assim ele age na tentativa de proteger o sujeito de vivenciar essa situação ruim novamente e desencadeia o “medo” preparando o corpo para fuga ou enfrentamento, só que no mundo físico, na realidade concreta, foi só um barulho de um escapamento do carro, no entanto, os sintomas são reais, o medo imaginado foi criado. Aproveito para falar algo sobre a imaginação, tudo que você imagina é sua realidade mental.

Pense na situação da fobia social, o indivíduo imagina que de alguma forma será prejudicado quando estiver em contato social.

A imaginação está comandando tanto o pensamento como o emocional, que logo, gera a alteração comportamental. Sobre isso falarei com mais detalhes em outra matéria, mas de momento digo: Tudo que você imagina é sua realidade mental, está acontecendo dentro de você.

Nestas situações difíceis a ansiedade surge, desencadeada por pensamentos disfuncionais que estão operando imagens mentais, são situações que outrora você não resolveu, não enfrentou, não soube lidar com isso, teve medo.

Logo, toda vez que for exposto a este tipo de situação ou pessoa, a ansiedade aparece nestas situações, porque elas já se constituíram como algo desagradável, com o qual você tem dificuldade de lidar.

Por isso, toda vez que você tem que se expor a este tipo de situação/pessoa, estará sujeito a chamada ansiedade antecipatória.

Na verdade, o indivíduo não quer se expor aquela situação, note, a memória emocional neste momento interfere na percepção da realidade, o subconsciente entende que tudo voltou.

Você sai do tempo presente, viaja no passado ou futuro imaginado, tudo vai acontecendo em frações de segundos.

Você vai experenciando um sentimento prevalente de impotência, que logo vai fazendo sentido para você, e assim passa a atuar no padrão emocional da negação, evitar, procrastinar.

Padrão este, que você nem se deu conta que já ocorreu lá no passado, e interfere em tudo na sua vida.

Evita a qualquer custo aquela situação avassaladora, que se desencadeia por algo que está acontecendo (gatilhos), ou por uma pessoa em específico que já lhe trouxe algum dano, emocional, etc.

Então uma explosão emocional acontece e lhe furta a capacidade de enfrentamento, é quando o sofrimento se instaura, justamente porque não querer se expor a qualquer situação que possa trazer de volta as sensações temidas.

Seu subconsciente está trabalhando para te proteger, em frações de segundos os sintomas se manifestam.

É provável neste caso, que você tenha sido invadido pela ansiedade antecipatória, visto que, provavelmente, por já estar sensível a qualquer coisa que lhe traga a situação que evita.

Surge o medo, a angustia, por já ter antecipado muito antes de se encontrar realmente na situação provocadora de ansiedade, perceba, sua mente não está no tempo presente, transita entre passado e futuro, o presente é ignorado.

Trarei uma situação pessoal que vivenciei e, exemplifica bem o que estou falando.

Minha mãe sempre que via uma lagartixa ficava em pânico ao ponto de sair de casa, abandonar tudo e sair correndo, desespero total.

A coisa ficou tão séria que ligava para seus filhos pedindo ajuda e, enquanto não chegasse alguém por lá para tirar o inofensivo bichinho, ela não entrava em casa, fica absolutamente paralisada.

Por anos sofria com isso, certo dia sentei com ela e fiz uma hipnose em vigília. Evoquei a emoção de medo que estava lá registrado, essa emoção sempre vem acompanhada por uma situação vivenciada. Foi quando descobri que ainda jovem enquanto dormia esse bichinho inofensivo havia caído em cima dela, o que de pronto a fez sentir muito medo, daquele dia em diante bastava ver a lagartixa que tudo vinha tona.

As reações de fuga, de medo, eram desencadeadas como sintoma, fugia como se estivesse fugindo da primeira vez que isso aconteceu.

Então pergunto: Qual perigo um bichinho tão inofensivo como a lagartixa poderia oferecer a ela? Porque tamanho Pânico?

O bichinho inofensivo na mente dela era o gatilho que evocava a memória emocional lá de trás, quando levou um susto ao ver que a lagartixa caiu em cima dela.

Neste ponto peço que reflita na sua vida, identifique os gatilhos que evocam essas reações, que te faz fugir de tudo e de todos, que te leva a não conseguir resolver seus problemas de maneira assertiva, a não enfrentar a situação que julga distorcidamente avassaladora.

Identifique os pensamentos antecipatórios que surgem, qual a história que eles te contam na imaginação? O que eles projetam? Eles estão congruentes com o que de fato ocorre? Porque se ocupa em preocupar-se antecipadamente?

São perguntas que muitas vezes você não tem repostas, pois fogem da lógica, da racionalidade, e não as ter, muitas vezes te colocam em angustia, e te faz pensar que é impotente.

Perceba, toda vez que fica sabendo que “talvez” tenha de entrar numa situação temida, você começa a pensar em todas as coisas terríveis que poderão lhe acontecer. Se perde no presente, se não está no presente, sua percepção é alterada e isso muda tudo.

Quando sua percepção do presente é alterada seus pensamentos e sentimentos antecipatórios assumem vida própria, você passa a interpretar tudo de maneira distorcida.

Eles ganham vida, se apresentam como “monstros” e com frequência, suficientemente poderosos, até para impedi-lo de entrar e resolver situações que não apresentam nenhum perigo ou ameaça real.

Vai a lógica das coisas, cada vez que evitar uma situação ou até mesmo uma pessoa provocadora de ansiedade, mais sensibilizado você ficará com relação a ela. Assim, torna-se mais difícil aproximar-se na vez seguinte.

Quando se perceber pensando no que poderia acontecer (pensamento futuro antecipatório), procure ficar no presente.

Mantenha seus pensamentos focados onde você está no momento presente, explore e foque sua concentração no que está acontecendo de fato, se mantenha no presente.

Não voe com ele, o pensamento disfuncional quer te projetar para o futuro, no que vai acontecer daqui a 1 hora, um dia ou 1 mês. Fique no presente.

É um exercício que exige de você atitude mental, você só precisa interromper esse padrão para gerar mudança, precisa apresentar algo novo. O novo aqui é não aceitar e duvidar do pensamento antecipatório em curso. Prová-lo com sua realidade concreta, no caso de minha mãe, quando olhava a lagartixa na parede, já imaginava que ele estava ali para pular em cima dela.

E você o que tem imaginado? Tudo que você imagina é sua realidade mental. A imaginação desencadeia pensamentos, pensamentos evocam emoções, emoções e sentimentos gera o comportamento, tudo ocorre em fração de segundos.

Perceba, na medida em que seus medos aumentam, sua imaginação corre livre e solta, então quando o medo chegar ou qualquer outra emoção lábil surgir, deixe acontecer, STOP, espere e deixe rolar, logo esse pensamento perde a força e você se mantém firme e forte no aqui e agora, onde tudo de fato acontece.

Entenda, você não controla tudo e certamente não consegue impedir que os pensamentos disfucnionais surgam, mas pode controlá-los,você pode decidir o que irá fazer com esses pensamentos.

Quando os pensamentos antecipatórios estiverem em ação, provocados por uma situação difícil, os coloque na berlinda, este é o “gap mental” que ensino aqui. Coloque a prova, para só depois agir.

Isso porque existe uma discrepância entre o seu nível de ansiedade antecipada (realidade imaginada) e o nível que você atinge na realidade (realidade concreta), quando se depara com uma situação como essa.

Cada vez que estiver prestes a entrar numa situação potencialmente causadora de ansiedade, pergunte-se: “Isso que estou pensando, é realmente verdade?

Depois observe o que acontece. Após várias experiências, você começará a perceber que o nível de ansiedade atingido, raramente é tão alto quanto a sua realidade de fato.

Nos crimes passionais um individuou em crise de ciúmes imagina (lembra que falei? Tudo que você imagina é sua realidade mental.), ele acredita veementemente que está sendo traído, ignora todas as evidencias da realidade concreta, e tomado por ódio (blackout mental) comete o crime. Após voltar a realidade consegue perceber, discernir o que fez, mas já é tarde demais.

Como disse, quebrar padrões vai exigir de você muito esforço, atitude mental congruente com o desejo de mudar, precisa ter uma ação nova. Vai doer um pouco no começo, mas vale lembrar, tudo que você dá importância cresce, se você tira a importância tende a enfraquecer e sumir.

Afinal era só uma lagartixa na parede!!

Espero que tenha ajudado você a entender um pouco esse mecanismo mental dos pensamentos antecipatórios (ansiedade antecipatória). Se gostou curte e compartilhe para assim ajudarmos o máximo de pessoas possíveis.

Te convido a vir tomar um café comigo na Clínica Mind&Life, no ensejo poderei ajudar muito mais. Até próxima!! Gratidão

Psicólogo – Hipnoterapeuta – Neurocientista

Cristiano Ávila da Silva

Profissional há sete anos na Fundação CASA de Atibaia, ajuda menores infratores a reprogramar suas mentes e mudar sua conduta e assim ressocializar um ser humano que estava fadado a vida pregressa.

Neste tempo seu trabalho trouxe muitos resultados positivos, mais de 300 adolescentes passaram por seus atendimentos, muitos deles hoje vivem suas vidas e cumprem com as regras sociais impostas a todos nós.

Também profissional reconhecido na área clínica, os pacientes que por ele passaram conseguiram superar os transtornos que antes os atormentavam.

Homem, simples, mas rebuscado no pensar, sua missão na vida foi descoberta ainda menino, onde teve a percepção de que seu dom seria ajudar pessoas a se curarem, uma vez ciente de seu dom, passou a se dedicar com afinco e ofertar seu dom as pessoas.

Hoje casado com Helena Ávila a mulher de sua eternidade, como costuma dizer, tem ao todo hoje sete filhos, Isabela, Layra, Renan, Thiago, Henrique, Melissa e Rafael, que são seu maior bem, desenvolve projetos na área do desenvolvimento humano, acredita que todo trauma tem cura, e tem provado isso em sua prática profissional.

Atualmente trabalha na consolidação de sua técnica que traz como referencial teórico a Psicanálise, Terapia Cognitiva Comportamental e a Hipnoterapia.

Consultas e avaliações

Usamos cookies que armazenam informações suas com o objetivo de melhorar sua experiência com nossos serviços, de acordo com nossos Termos de Uso.