Empreendedorismo e suas duas facetas

Existe uma mística de que empreender na área da saúde é algo difícil, complexo e, em alguns casos, até mesmo ilegal ou antiético. Que você Psicológo(a), Nutricionista, Dentista (e tantas outras profissões na área da saúde) estaria impedido, por alguma força oculta, de empreender dentro de sua área de atuação.

Vamos combinar que nem mesmo a definição de empreender, contida nos dicionários, não ajuda em nada a desmistificar este conceito, porque o próprio dicionário define empreender como uma tareda difícil e trabalhosa.

Vamos, juntos, desconstruir esse conceito. Afinal de contas, em um mercado altamente competitivo como o que vivemos, quem não tiver uma postura empreendedora não alcançará, na maioria esmagadora dos casos, o tão almejado sucesso profissional.

O grande pintor brasileiro Pedro Américo que nos permita a licença poética com sua obra, mas realmente o grito que precisa ser dado , urgentemente, por quem quer sobreviver atualmente é Empreendedorismo ou Morte!

Vamos, a partir de hoje, escrever um artigo diário para te ajudar nessa jornada. Para que possamos crescer juntos, pois nós acreditamos no poder do coletivo. Ninguém faz nada relevante sozinho. 

Pretendemos escrever de forma leve, direta e objetiva. Afinal de contas, não é porque o assunto é importante que ele precisa ser tratado de forma chata ou complexa. 

O ponto que vamos abordar hoje são os dois tipos de empreendedorismo existentes : o acadêmico e o mercadológico. Essa divisão é algo que a gente pensou de forma a clarificar o tema. 

Empreendedorismo acadêmico tem a ver com tudo aquilo relacionado diretamente à parte técnica da sua atividade enquanto psicólogo, nutricionista, médico e tantas outras áreas da saúde que precisam empreender. 

O empreendedorismo acadêmico tem relação direta com a educação continuada, com a constante busca por atualização, sejam em cursos rápidos ou em pós-graduações, mestrados ou doutorados. Tem relação direta com a participação em eventos relacionados diretamente à sua área de atuação. Encontros (online e offline), simpósios, palestras, oficinas. Até mesmo a atividade da docência (você se tornar um professor(a)) tem relação direta com aquilo que classificamos como empreendedorismo acadêmico.

Já o empreendedorismo mercadológico tem relação direta como a forma que você divulga seu trabalho, se relaciona com o mercado e também guarda direta relação com as boas práticas de gestão em sua atividade profissional. 

É a maneira como o mercado reconhece e percebe você. É a maneira como você se posiciona nas redes sociais. É o jeito que você se relaciona com pacientes e, principalmente, potenciais novos pacientes. É a forma como você organiza suas rotinas. Tudo isso, "junto e misturado" forma o conceito que definimos como empreendedorismo mercadológico. 

Qual destas duas facetas do empreendedorimo é mais importante? Ambas! Elas precisam andar de mãos dadas, o tempo inteiro, em sua carreira. Somente assim você poderá afirmar, de forma profunda (e não rasa!) que você empreende dentro da área da saúde.

Dito de uma maneira super-ultra-mega simplista, poderíamos simplificar afirmando que o empreendedorismo acadêmico é o conteúdo ao passo que o empreendedorismo mercadológico é a forma. Forma sem conteúdo não tem valor algum. E conteúdo sem forma tão pouco. 

Se você leu esse texto e conseguiu entender a importância dessas duas facetas da atitude empreendedora na saúde - acadêmica e mercadológica - este texto atingiu seu objetivo. 


Usamos cookies que armazenam informações suas com o objetivo de melhorar sua experiência com nossos serviços, de acordo com nossos Termos de Uso.